Síndrome de burnout é considerada uma doença ocupacional, portanto deve ser uma preocupação das empresas?

Síndrome de Burnout: um distúrbio causado pela exaustão extrema no ambiente profissional

A Síndrome de Burnout, também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional é um distúrbio psíquico causado pela exaustão extrema, relacionada ao trabalho de um indivíduo.
 
Essa doença tem acometido inúmeros profissionais das mais diversas classes, especialmente neste momento de pandemia. E, segundo o psicólogo Herbert J. Freudenberg, que definiu a síndrome na década de 70, a doença, trata-se de um distúrbio psíquico de carácter depressivo, precedido por esgotamento físico e mental, ligada a atividades profissionais
.
É importante que as empresas saibam que tal problema é considerado uma doença ocupacional, ou seja, está definida no artigo 20, I da Lei n. 8.213 de 24 de julho de 1991 como a enfermidade produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social.
 
Portanto, profissionais que vivenciam situações de trabalho desgastantes, que possuem excesso de responsabilidades, de cobranças ou que tem uma rotina excessiva de trabalho, junto às rotinas duplas, principalmente em casos de mulheres com filhos, são os mais susceptíveis a desenvolvê-la.
 

Quais são os sintomas da síndrome de burnout?

Entre muitos sintomas, os quais variam de pessoa a pessoa, os mais notórios são:
 
● Fortes dores de cabeça
● Depressão
● Oscilações de humor
● Ansiedade
● Distúrbios do sono
● Problemas gastrointestinais
● Problemas digestivos
● Sensação de total incapacidade para a realização de tarefas do cotidiano
profissional
● Desatenção
● Falta de produtividade, dentre outros
 

Como tratar a síndrome de burnout

O tratamento inclui afastamentos do trabalho, antidepressivos e psicoterapia, com casos graves até de aposentadoria por invalidez, o empregado poderá ser afastado pelo INSS (espécie B91) e terá os mesmos direitos previstos para os que sofreram acidentes de trabalho, como estabilidade provisória pelo prazo de doze meses, após a cessação do benefício.
 
Ou seja, o empregador não poderá demiti-lo sem justa causa, sob pena de pagar de forma indenizada o período complementar.
 
Portanto, é importante haver uma conscientização por parte da empresa em criar meios de prevenção dessa Síndrome, pois existe uma responsabilidade com a vida dos empregados e com a sociedade que o mesmo está inserido.
 
Vale ressaltar que é importante sempre proporcionar um ambiente seguro e saudável, assegurando a proteção à saúde física e psíquica. Para amenizar os stress do dia a dia própria das atividades, as empresas podem criar ações para diminuir e promover bem estar aos seus colaboradores como:
 
  1. Oferecer momentos de descontração e relacionamentos entre os funcionários
  2. Promover pausas durante o dia para minutos de relaxamento da mente e corpo.
  3. Implantar políticas que previna assédios morais ou qualquer tipo de discriminação.
  4. Implantar e fiscalizar normas de segurança, higiene e boas práticas à saúde.
  5. Promover palestras e informativos incentivando a alimentação saudável, lazer e atividades físicas, enfatizando sua importância.
  6. Incentivar cursos e treinamentos aos colaboradores para facilitar o dia a dia na empresa em suas atividades e funções
  7. Ter um RH na empresa com o objetivo de promover cuidados com a equipe, as pessoas necessitam serem ouvidas.
Ao adotar todas as práticas, é possível garantir uma equipe mais motivada, engajada e feliz, o que contribui para um ambiente de trabalho mais produtivo e eficiente. Pense nisso!

Voltar

Compartilhar

Todos os direitos reservados ao(s) autor(es) do artigo.